Rural Extension in Sociological Perspective

  • Márcia DA SILVA-MAZON Federal University of Santa Catarina

Abstract

We focus on the educational and rural extension institutions in Brazil as agents of the farmer’s social identity, inserting him as an entrepreneur in the market field. From the point of view of the performative character of economics, we confront this model with the USA acting through the MEC-USAID agreement and the turning point of a model of State-market relations according to the keynesian hierarchical logic to the market logic inaugurated by the Washington Concensus. During the post war period, the USA/USSR polarization permitted a cognitive agreement about a farmer as an entrepreneur and the agriculture mission was to save the hungry. At the beginning of the 21st century, the financialization logic that reaches the rural through the language of the agricultural commodities prevails. The small farmer is himself the hungry one and the rural extension assumes na assistental character.

References


  • Abramovay, R. (2000), “O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural e suas consequências para o processo de avaliação”, Economia Aplicada, vol. 2 (4), pp. 379-397.
  • Abramovay, R., Magalhaes, R. Schroder, M. (2010), “Representatividade e Inovação na governança dos processos participativos: o caso das organizações brasileiras de agricultores familiares”, Sociologias, vol. 12 (24), mai-ago, pp. 268-306.Action, www.actionbioscience.org. (acesso: 10.09.2009)
  • Araujo, J.C.F. (1981), Extensão rural no desenvolvimento da agricultura brasileira, Viçosa: UFV.
  • Bizzo, M.L., Galluzzi (2008), Ação política e pensamento social em Josué de Castro, 11o Seminário Nacional de História da Ciência e Tecnologia – SBHC [CD-ROM], UFF/Niterói, pp. 1-17.
  • Bonnal, P., Maluf, R. (2009), “Políticas de desenvolvimento territorial e multifuncionalidade da agricultura familiar no Brasil”, Politica e Sociedade, vol. 8, pp. 211-250.
  • Bonneuil, C. et al. (2011), “Outra forma de inovar? A pesquisa ante o surgimento de um novo regime de produção e regulamentação do conhecimento em genética vegetal”, em: M. Zanoni, G. Ferment, Trasnsgênicos para quem?, Brasilia: NEAD Debate – MDA, pp. 172-224.
  • Bourdieu, P. (2000), As estruturas sociais da economia, Almada: Instituto Piaget.Bourdieu, P. (1993), “Esprits d’Etat. Genèse et structure du champ bureaucratique”, Actes de la Recherche en Sciences Sociales, no. 96/97, pp. 49-62.
  • Bourdieu, P. (1982), “Décrire et préscrire: les conditions de possibilité et les limites de l’efficacité politique”, em: Ce que parler veut dire – l’économie des échanges linguistiques, Paris: Fayard, pp. 103-161.
  • Cabral, J.I. (2005), Sol da Manhã: memória da EMBRAPA, Brasília: UNESCO.Caporal, F.R.E.
  • Costa-Beber, J.A. (1994), “Por uma nova extensão rural: fugindo da obsolescência” Rev da Associação Brasileira de Reforma Agrária”, vol. 24 (3), set., pp. 71-90.
  • Delgado, N.G., Leite, S.P. (2011), “Políticas de Desenvolvimento Territorial no Meio Rural Brasileiro: Novas Institucionalidades e Protagonismo dos Atores”, Dados, Revista de Ciências Sociais, vol. 54 (2), pp. 431-473.
  • Dezalay, Y.E., Garth, B. (1998), “Le «Washington Consensus». Contribution à une sociologie de l’hégémonie du néolibéralisme”, Actes de la Recherche en Sciences Sociales, vol. 121-122, pp. 23-41.Douglas, M. (2007), Como as instituições pensam, São Paulo: Edusp.Doula,
  • Sheila M. (2010), A formação de pós-graduação e os desafios da extensão rural no Brasil, VIII Congresso Latinoamericano de Sociologia Rural – ALASRU/GT, Pernambuco: Desafios da Extensão Rural.
  • Durkheim, E. (2004), “Algumas formas primitivas de classificação”, em: J.A. Rodrigues (org.), Durkheim. Sociologia, São Paulo: Ed. Ática.
  • Durkheim, E. (1983), Lições de Sociologia: a Moral, o Direito e o Estado, São Paulo: T.A. Queiroz/EDUSP, pp. 156-201 (lições 15 a 18).
  • Durkheim, E. (2003), As formas elementares da vida religiosa, São Paulo: Ed. Martins Fontes. EMBRAPA, Noticias, www.embrapa.br (acesso: agosto 2012).
  • Evans, P. (1982), A tríplice aliança: as multinacionais, as estatais e o capital nacional no desenvolvimento dependente brasileiro, RJ: Zahar.
  • FAO/WHO (2009), About the “Codex Alimentarius”, Roma, www.codexalimentarius.net (acesso: 12.10.2009).
  • Westin, R. (2005), “Demitido da EMBRAPA diz que foi surpreendido”, Folha de São Paulo/Caderno: Agronegócio, http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi2201200-519.htm (acesso: 20.10.2011).
  • Fonseca, M.T.L. (1985), A Extensão Rural no Brasil, um projeto educativo para o capital, São Paulo: Edições Loyola.
  • Freire, P. (1983), Extensão ou comunicação?, Rio de Janeiro: Paz e Terra.
  • Furtado, C. (2009), Desenvolvimento e subdesenvolvimento, Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado.Garcia, Jr. A.E.
  • Grynspan, M. (2002), “Veredas da questão agrária e enigmas do grande serão”, em: S. Miceli (org.) O que ler na ciência social brasileira, vol. IV, São Paulo:ANPOCS/Edit. Sumaré, Brasilia DF: CAPES, pp. 311-348.
  • Garcia-Parpet, M.F. (2010), “A construção intelectual dos mercados agrícolas: a sociedade francesa dos economistas rurais e a revista Economie Rurale”, Mana, vol. 16 (1), pp. 75-97.
  • Garcia-Parpet, M.F. (2006), “A gênese social do homoeconomicus: a Argélia e a sociologia da economia em Pierre Bourdieu”, Mana, vol. 12 (2), pp. 333-357.
  • Garcia-Parpet, M.F. (2003), “A construção social de um mercado perfeito: o caso de Fontaines-en-Sologne”, Estudos Sociedade e Agricultura, vol. 20, pp. 5-44.
  • Graziano da Silva, J. (1978), Estrutura agrária e produção de subsistência na agricultura brasileira, SP: Ed. Hucitec.
  • Graziano da Silva, J. (1986), A modernização dolorosa. Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil, RJ: Zahar Editores.Grün, R. (1999), “Modelos de empresa, modelos de mundo: sobre algumas características culturais da nova ordem econômica e da resistência a ela”, RBCS, vol. 14 (41), pp. 121-140.Grün, R. (2005), “Apagão Cognitivo: a crise energética e sua sociologia”, Dados.Revista de Ciências Sociais, 48 (4), pp. 891-928.
  • Krueger, A.O. (1974), “The Political Economy of the Rent-seeking Society”, The American Economic Review, vol. 64 (3), Jun, pp. 291-303.
  • MCT – Ministerio da Ciencia e Tecnologia, www.mct.gov.br (acesso: 20.10.2011).
  • Oliver, G.S., Figuerôa, S.F.M. (2006), “Características da institucionalização das ciencias agrícolas no Brasil”, Revista da SBHC, vol. 4 (2), jul-dez, pp. 104-115.
  • Peixoto, M. (2008), Extensão rural no Brasil – uma abordagem histórica da legislação, Textos para discussão 48, Senado Federal, www.senado.gov.br/senado/conleg (acesso: 10.12.2011).
  • Queda, O. (1987), A Extensão rural no Brasil: da anunciação do milagre à modernização agrícola, Tese de Livre Docência, Piracicaba: ESALQ.
  • Rally Da Safra (2011), www.rallydasafra.com.br (acesso: 10.10.2011).
  • Ribeiro, M.G.M. (2008), A USAID e o ensino agronômico brasileiro: o caso da Universidade Rural do Estado de Minas Gerais, 11º. Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia [CD-ROM], Rio de Janeiro: SBHC, UFF.
  • Rodrigues, C.M. (1987), “Gênese e evolução da pesquisa agropecuária no Brasil: da instalação da corte portuguesa ao início da República”, Cad. Dif. Tecnol., jan-abr, 4 (1), pp. 21-38.
  • Rodrigues, C.M. (1987a), “A pesquisa agropecuária federal no período compreendido entre a Republica Velha e o Estado Novo”, Cad. Dif. Tecnol., 4 (2), mai-ago, pp. 129-153.
  • Rodrigues, C.M. (1987b), “Pesquisa agropecuária no período do pós-guerra”, Cad. Dif. Tecnol., Brasília, 4 (3), set-dez, pp. 205-254.
  • Silva-Mazon, M. (2008), Embates simbólicos na construção de um sistema de Ciência e Tecnologia para a agricultura brasileira. SINAC e EMBRAPA em perspectiva comparada, 11o Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, Niterói/ RJ:. Sociedade Brasileira de História da Ciência.
  • Silva-Mazon, M. (2009), “Padrões de qualidade e segurança alimentar no terreno institucional brasileiro”, Dados. Revista de Ciências Sociais, vol. 52 (4), pp. 1003-1044.
  • Silva-Mazon, M. (2010), “Transição nutricional e sua sociologia: o dilema alimentar no século XXI” em: J. Guivant, C. Rial (org.), Alimentos e consumo na era da globalização, Santa Catarina: EDUFSC.
  • Silva-Mazon, M. (2010a), Abastecimento alimentar no Brasil e as reformas liberalizantes: Estado e mercado em questão, Tese (doutorado), Florianópolis: UFSC/PPGSP, www.tede.ufsc.br/teses/PSOP0370-T.pdf (acesso: 10.12.2011).
  • Weber, F. (2002), “Práticas econômicas e formas ordinárias de cálculo”, Mana, vol. 8 (2), pp. 151-182.
  • Weber, M. (1972/2004), Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva, vol. 1, Brasília-DF: UNB, SP: Imprensa Oficial.
  • Wilkinson, J.E., Castelli, P.G. (2000), A transnacionalização da indústria de sementes no Brasil. Biotecnologias, patentes e biodiversidade, RJ: ActionAid.
  • Zelizer, V. (2009), “Dualidades perigosas”, Mana, vol. 15 (1), pp. 237-256.
Published
2016-12-13
How to Cite
DA SILVA-MAZON, Márcia. Rural Extension in Sociological Perspective. Revista del CESLA, [S.l.], n. 19, p. 9-32, dec. 2016. ISSN 2081-1160. Available at: <http://revistadelcesla.com/index.php/revistadelcesla/article/view/4>. Date accessed: 24 sep. 2017.
Section
Articles