Social Reconstruction of Agriculture in Rio de Janeiro: A Study About the São João Valley

Keywords: agrarian reform, Rio de Janeiro, agriculture, land conflict, Sebastião Lan

Abstract

The article develops a debate about the social reconstruction of agriculture in the state of Rio de Janeiro, through an empirical case, the rural community of Sebastião Lan II. From a historical rereading of the territory of the São João River Valley, we weave relationships between the process of changing socioeconomic cycles in the territory with the environmental crisis and land concentration. We will reflect on emerging concepts in the relationship between empirical and theoretical research, in particular the notions of “desagriculturalização” and “rerruralização”. The research was developed in extension projects and socio-legal advice to social movements fighting for land reform and democratization of access to land. We will try to reflect on the notion of social reproduction of agriculture as a symptom of social conflicts, through which we will identify signs of resistance against socio-environmental injustices.

Author Biographies

Rodolfo Bezerra de Menezes Lobato da Costa, Fluminense Federal University, Brazil

Professor of the Department of Sociology of the Paraná Federal University. PhD in Social and Legal Sciences from the Fluminense Federal University (PPGSD / UFF) and researcher at the Fluminense Land Observatory.

Ana Maria Motta Ribeiro, Fluminense Federal University, Brazil

Professor of the Department of Sociology of the Paraná Federal University and Post-Graduation in Sociology and Law (PPGSD / UFF). PhD in Development, Agriculture and Society (UFRRJ / CPDA) and coordinator of the Fluminense Land Observatory.

References

Binzstock, J. (1998). Capitalismo Autoritário e a Questão Ambiental no Vale do São João. In A. M. Motta Ribeiro et al. (Eds.), Campo Aberto – O rural no Estado do Rio de Janeiro (pp. 327-334). Rio de Janeiro, Brasil: Contracapa.

Bourdieu, P. (2014). Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-92). São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Brandão, C.R. (1981). Pesquisa Participante (3ª edição). São Paulo, Brasil: Brasiliense.

Brandenburg, A. (2005). Ciências Sociais e Ambiente Rural: principais temas e perspectivas analíticas. Revista Ambiente e Sociedade, 8(1), pp. 51-64. https://doi.org/10.1590/S1414-753X2005000100004

Candido, A. (2001). Os parceiros do rio bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo, Brasil: Duas Cidades; Ed. 34.

Carneiro, M. J., & Maluf, R. S. (Eds.). (2003). Para além da produção: multifuncionalidade e agricultura familiar. Rio de Janeiro, Brasil: MAUAD.

Citricultura tem boas perspectivas de se desenvolver. (1973, Setembro 29). Jornal do Brasil, p.7.

Convênio com DNOS dará a rio São João e afluentes leito dragado e barragens. (1971, Agosto 4) Jornal do Brasil, p.23.

Crosby, A. (2011). Imperialismo Ecológico: A expansão biológica da Europa 900-1900. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Cunha, S. B. (1995). Impactos das obras de engenharia sobre o ambiente biofísico da bacia do Rio São João. Rio de Janeiro, Brasil: Instituto de Geociências.

Dean, W. (1996). A Ferro e Fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileiras. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Delgado, G. C. (2005). A Questão Agrária no Brasil, 1950-2003. In L. Jaccoud (Ed.), Questão Social e Políticas Sociais no Brasil Contemporâneo (pp. 51-90). Brasília, Brasil: IPEA.

Desmatamento (1971, Agosto 5). Jornal do Brasil, p. 31.

Geiger, P., & Mesquita, M. (1956). Estudos rurais da Baixada Fluminense (1951-53). Rio de Janeiro, Brasil: IBGE.

E. do Rio faz projeto integrado. (1973, Julho 23). Jornal do Brasil, p. 18.

Estado do Rio desapropria área para manter suas florestas. (1970, Setembro 6). Jornal do Brasil, p. 7.

Estado tem verbas para recuperação do Vale do São João. (1973, Dezembro 30). Jornal do Brasil, p. 7.

Gonçalves Neto, W. (1997). Estado e Agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira. São Paulo, Brasil: Hucitec.

Governo do Estado do Rio de Janeiro. (1970, Março 2). Estamos fazendo tudo para acabar com o homem da roça. Jornal do Brasil, p. 5.

Graziano da Silva, J. (1982). A modernização dolorosa: Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Haesbaert, R. (2004). O Mito da Desterritorialização: do "fim dos territórios" à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro, Brasil: Bertrand Brasil.

Homem tenta reparar danos que causa à natureza. (1972, Junho 11 e 12). Jornal do Brasil, p. 18.

IBDF acha ser armado com flecha. (1973, Julho 19). Jornal do Brasil, p. 14.

Informe RJ. (1973, Outubro 14). Jornal do Brasil, p. 4.

Lamego, A. R. (1945). O homem e o brejo. Rio de Janeiro, Brasil: IBGE.

Lamego, A. R. (1946). O homem e a restinga. Rio de Janeiro, Brasil: IBGE.

Madeira Filho, W., Motta Ribeiro, A. M. Pereira, M. C. de, & Prata Filho, D. de A. (Eds.). (2007). Laudo multidisciplinar em conflito sócio-ambiental: o caso da reforma agrária no entorno da Reserva Biológica de Poço das Antas (Série Pesquisas nº2). Niterói, Brasil: PPGSD-UFF.

Martins, J. d. S. (1981). Campesinato e Política no Brasil. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Martins, J. d. S. (2003). O Sujeito Oculto: ordem e transgressão na reforma agrária. Porto Alegre, Brasil: Editora UFRGS.

Marx, K. (1977). Formações Econômicas pré-capitalistas. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Medeiros, L. S. de, & Leite, S. (1999). A Formação dos assentamentos rurais no Brasil: processos sociais e políticas públicas. Porto Alegre; Rio de Janeiro, Brasil: Ed. Universidade; UFRGS; CPDA.

Mendonça, S. R. (1997). O ruralismo brasileiro (1888-1931). São Paulo, Brasil: HUCITEC.

Menezes, F. (1999). Política agrícola e o Governo Collor. Rio de Janeiro, Brasil: Fase.

Moreira, R. J. (1995). Renda da natureza e territorialização do capital: reinterpretando a renda da terra na competição intercapitalista. Estudos Sociedade e Agricultura, (4): pp. 89-111.

Nem Reserva detém desmatamento. (1975, Março 7). Jornal do Brasil, p. 13.

Novicki, V. d. A. (1994). Governo Brizola, movimentos de ocupação de terras e assentamentos rurais no Rio de Janeiro (1983-1987). In L. S. de Medeiros et al. (Eds.), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar (pp. 69-86). São Paulo, Brasil: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Novo Estado do Rio poderá tirar melhor proveito de uma agricultura racional. (1974, Setembro 22). Jornal do Brasil, p. 22.

NMSPP (Núcleo de Pesquisa e Documentação sobre Movimentos Sociais e Políticas Públicas no Campo). (2005). Conflitos por terra e repressão no campo no estado do Rio de Janeiro (1946-1988) - (Relatório de Pesquisa). http://www.nmspp.net.br/arquivos/para_leitura/camponeses_e_ditadura/Conflitos%20por%20Terra%20e%20Repressao%20no%20Campo%20no%20Estado%20do%20Rio%20de%20Janeiro%20-%201946-1988.pdf

O'Dwyer, E. C. (1982). Expropriação e Luta dos Camponeses Fluminense. Revista da ABRA, 12(2), pp. 13-25.

Palmeira, M. (1989). Modernização, Estado e Questão Agrária. Estudos Avançados, 3(7), pp. 87-108.

Palmeira, M. (1994). Burocracia: política e reforma agrária. In L. Medeiros et al. (Eds.), Assentamentos rurais: uma visão multidisciplinar (pp. 49-65). São Paulo, Brasil: Editora da Universidade Estadual Paulista. https://doi.org/10.1590/S0103-40141989000300006

Palmito será aproveitado em Casimiro. (1973, Agosto 12). Jornal do Brasil, p. 7.

Pereira, M. C. de B. (2008). Reforma Agrária e Meio Ambiente: desafios e possibilidades em torno de conflitos envolvendo assentamentos rurais/INCRA e reserva biológica/IBAMA. Floresta e Ambiente, 14(2), pp. 49-63.

Produção no Vale S. João é estimulada. (1973, Julho 15). Jornal do Brasil, p. 7.

Região abandonada abastecerá o Rio. (1973, Dezembro 22). Jornal do Brasil, p. 15.

Ribeiro, A. M. (2005). Desagriculturalização. In M. Motta (Ed.), Dicionário da Terra (pp. 158-161). Rio de Janeiro, Brasil: Civilização Brasileira.

Ribeiro, A. M. (2007). Reflexões metodológicas: a produção do laudo multidisciplinar sobre conflito agrário ambiental no entorno da rebio poço das antas – uma abordagem marxista. https://anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548210414_a67d69905173601c47e6f7bdf1889c27.pdf

Seva, J. T. (2008) Classes patronais rurais e conflitos sociais: Um estudo sobre as ações das organizações patronais rurais frente à questão ambiental (dissertação de mestrado). Rio de Janeiro, Brasil: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Stedile, J. P., & Fernandes, B. M. (2012). Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, Fundação Perseu Abramo.

Técnicos indicam no Estado do Rio problemas de distribuição de terra. (1973, Setembro 27). Jornal do Brasil, p.27.

Vale do São João tem só culturas típicas e será área de hortigranjeiros. (1973, Agosto 19). Jornal do Brasil, p. 7.

Published
2020-06-30