Historical Origins of the Odebrecht Organization: Portrait of Private Appropriation of Nature in the Bahia Southern Lowlands-Brazil

Keywords: Odebrecht Organization, historical geography, Bahia Southern Lowlands

Abstract

The historical geography of the Odebrecht Group demonstrates the passage of a brazilian family-owned company that has became a holding company that has been territorialized by more than three dozen countries, thanks to the operation of the businessman-entrepreneur Norberto Odebrecht. What has not been disseminated, whether in the media or in publications by the Organization, is the process of private appropriation of nature that has been conducted by Odebrecht in Bahia during the 20th century. The purpose of this paper is to present the temporal spatialization of the Odebrecht family in the Bahia Southern Lowlands, which reflects the way that Brazilian field (land and water) has been appropriated by transnational companies, mainly with strong State support. Therefore, has been proceeded data collection in researches and publications that demonstrate a series of onslaughts on Bahian rural space in the trajectory of Odebrecht family that has been investigated in light of the theoretical discussion about private appropriation of nature with use of violence in its various dimensions.

Author Biography

Aline dos Santos Lima, Federal Institute of Bahia, Brazil

Teacher IF Baiano Campus Santa Ines, Geography graduate (UNEB), Master in Culture, Memory and Regional Development (UNEB), PdD in Geography (UFBA), Researcher Projeto GeografAR/POSGEO/UFBA/CNPq

References

Boltanski, L. Chiapello, É. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo, Brasil: WMF Martins Fontes.

Brasil. (1951). Decreto n°. 29.971, de 10 de setembro de 1951. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Rio de Janeiro-RJ, 24 out. 1951. Seção 1, pp. 15.747.

Dantas, R. M. de A. (2007). Odebrecht: a caminho da longevidade saudável? (tese de mestrado). Rio de Janeiro, Brasil: UFRJ.

Brasil. (1959). Decreto n°. 45.849, de 22 de abril de 1959. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Rio de Janeiro-RJ, 24 abr. 1959. Seção 1, pp. 9.469.

Fazendas Reunidas Vale do Juliana. (2015). Recuperado de http://valedojuliana.com.br/wp/

Fernandes, B. M. (1999). MST: formação e territorialização em São Paulo, 2. ed. São Paulo, Brasil: Hucitec.

Flexor, M. H. O. (2004). Evolução histórica do Baixo Sul na formação da economia do Recôncavo Sul da Bahia. In N. Odebrecht (ed.), Desenvolvimento sustentável: a visão e a ação de um empresário: o caso do Baixo Sul da Bahia (pp. 30-69). Salvador, Brasil: CRA.

Fundação Odebrecht. (2011). Bases conceituais do Programa de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Baixo Sul da Bahia. Salvador: Fundação Odebrecht.

GeografAR. (2011). Leitura Geográfica da Estrutura Fundiária da Bahia. Banco de Dados. Recuperado de https://geografar.ufba.br/estrutura-fundiaria

Germani, G. I. (2010). Questão agrária e movimentos sociais: a territorialização da luta pela terra na Bahia. In A. S. Coelho Neto, E. M. C. Santos, O. A. Silva (eds.), (Geo)grafias dos movimentos sociais (pp. 269-304). Feira de Santana, Brasil: UEFS.

Gonçalves, A. F. (2003). Cultura & mercado no contexto transnacional: uma etnografia da Tecnologia Empresarial Odebrecht (tese de doutorado). São Paulo, Brasil: UNICAMP.

Gonçalves, R. S. (2014). História ambiental da APA Pratigi – Bahia (tese de mestrado). Feira de Santana, Brasil: UEFS.

Harvey. D. (2012). O novo imperialismo (6. ed.). São Paulo, Brasil: Loyola.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 1958. Enciclopédia dos municípios brasileiros (v. 20). Rio de Janeiro, Brasil: IBGE.

Jesus, E. S. de. (2015). Os nipo-baianos de Ituberá: trajetórias, memórias e identidades de imigrantes no Baixo-Sul da Bahia (1953-1980) (tese de doutorado). Salvador, Brasil: UFBA.

Lima, A. dos S. (2017). A territorialização do capital na lavoura de mandioca: a educação pelo trabalho da Aliança Estratégica do Amido no município de Laje (BA) (tese de doutorado). Salvador, Brasil: UFBA.

Lima, A. dos S. (2018). A geo-história da Organização Odebrecht: migração, negócios e o “trancafiamento” da natureza. Campo-território: Revista de Geografia Agrária, 13(30), pp. 187-217. https://doi.org/10.14393/RCT133008

Marx, K. (1979). A Origem do Capital. A Acumulação Primitiva (3. ed., tradução Walter S. Maia). São Paulo, Brasil: Global.

Marx, K. (2013). A assim chamada acumulação primitiva. In K. Marx, O capital: crítica da economia política: Livro 1: o processo de produção do capital (pp. 785-833). São Paulo, Brasil: Boitempo.

Marx, K. Engels, F. (1980). Manifesto comunista (6. ed.). São Paulo, Brasil: CHED.

Odebrecht, N. (1987). Sobreviver, crescer e perpetuar: tecnologia empresarial Odebrecht. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Odebrecht, N. (1991). Educação pelo trabalho: Tecnologia Empresarial Odebrecht. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Odebrecht, N. (2004). Desenvolvimento sustentável: a visão e a ação de um empresário: o caso do Baixo Sul da Bahia. Salvador, Brasil: CRA.

Odebrecht, N. (2011). O essencial em pontos de referência. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Odebrecht S.A. (2004). Relatório Anual da Odebrecht S.A. 2004. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Odebrecht S.A. (2013). Relatório Anual da Odebrecht S.A. 2012. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Odebrecht S.A. (2014). Relatório Anual da Odebrecht S.A. 2013. Salvador, Brasil: Odebrecht.

Piquet. R. (1998). Cidade-empresa: presença na paisagem urbana brasileira. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar.

Porto, J. R. S. (2016). Poder e território no Baixo Sul da Bahia os discursos e os arranjos políticos de desenvolvimento (tese de doutorado). Rio de Janeiro, Brasil: UFRRJ.

Prata, M. del C. L. (1994). A vida e a lida: estudos sobre trajetórias e projetos de vida de famílias de lavradores no interior do Estado da Bahia. Salvador: UFBA. (Mestrado em Sociologia).

Santos, M. (1997). A natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção (2.ed.). São Paulo, Brasil: Hucitec.

Santos, M. (2008). Espaço e método (5. ed). São Paulo, Brasil: EdUSP.

SEPLAN (Secretaria do Planejamento da Bahia). (2015). Secretaria do Planejamento – Governo da Bahia. Recuperado de http://www.seplan.ba.gov.br/

Silva, E. R. da. (2013). Comunidade negra rural de Lagoa Santa: história, memória e luta pelo acesso e permanência na terra (1950-2011) (tese de mestrado). São Paulo, Brasil: PUC.

Souza, M. de L. C. (2009). Interesses na produção do espaço no Litoral Norte da Bahia: Massarandupió e seu entorno (tese de mestrado). Salvador, Brasil: UFBA.

Thompson, E. P. (1998). Costume, lei e direito comum. In E. P. Thompson (ed.), Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional (pp. 86-149). São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Published
2020-06-30