The Struggle for Land and Territorial Public Policies in the Amazonian Agrarian Area: A Reflection from the Settlement of Martyrs of April in Belém

Keywords: Amazon, public management, territorial public policies, peasant family farming, Belém do Pará

Abstract

This article aims to discuss public management and peasantry in the Amazon and its importance to Brazilian society as well as the struggle for land and the impacts of social movements in the construction and occupation of territories. Using as object of research the settlement martyrs of April located in Mosqueiro in the municipality of Belém that represents a relevant perspective for agrarian reform pointing out the main difficulties of the settlement against the lack of power To peasant family farming. The aim of this research is to discuss the need for greater public power investments in the family farming sector, which is increasingly shown as the main food producer for the Brazilian population, in addition to discussing throughout this text the Importance of settlements for the implementation of agrarian reform.

Author Biographies

Danillo Vaz Costa, State University of Pará, Brazil

Graduated in the course of full degree in geography offered by the State University of Pará (UEPA), with affinity in agrarian geography, in research in the area of territorial public policies and interest in issues related to agriculture Family

Fabiano de Oliveira Bringel, State University of Pará, Brazil

Degree in Geography, UFPA (2001). Master's degree in family farming and sustainable development from UFPA/Embrapa (2006). PhD in Geography from UFPE (2015) in the area of regionalization and Regional analysis. He has experience in the area of geography, with emphasis on agrarian geography and peasant family farming. Researcher linked to the ITHA-Institute of Theory and History of anarchism. He coordinates the peasant Territorialization research group in Amazonia-Gpteca/Uepa and the Laboratory of Studies and research on space and Campesinato-lepec/UF

References

Abe, M. N. (2004). Mártires de Abril: o MST semeando a utopia camponesa (tese de mestrado). ‎Belém, Brasil: Universidade Federal do Pará.

Abramovay, R. (1992). Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo, Brasil: Hucitec; ANPOCS.

Bartra, A. (2011). Os Novos Camponeses: leituras a partir do México profundo. São Paulo, Brasil: Cultura Acadêmica; Cátedra Unesco de Educação do Campo e Desenvolvimento Rural.

Bringel, F. O. (2001). Do Rural ao Urbano: Territorialidade do MST em Área Metropolitana. Caso do Acampamento Mártires de Abril em Mosqueiro (trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal do Pará.

Casa Civil da Presidência da República. (2006). Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável para a Área de Influência da Rodovia BR-163 Cuiabá-Santarém. Brasília, Brasil: Grupo de Trabalho Interministerial.

Chizzotti, A. (2003). A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), pp. 221-236.

Delgado, N. G. (2009). Política econômica, ajuste externo e agricultura. In S. Leite (Ed.), Políticas Públicas e Agricultura no Brasil (pp. 17-54). Porto Alegre, Brasil: Editora da UFRGS.

Fernandes, B. M. (2000) Formação e territorialização do MST no Pará. Cultura Vozes, 94(2). pp. 3-18.

Fernandes, B. M. (2005). Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais: contribuição teórica para uma leitura geográfica dos movimentos sociais. Revista Nera. Presidente Prudente. 8(6). pp. 14 – 34.

Fernandes, B. M. (2008). Entrando nos territórios do Território. In E. T. Paulino, J. E. Fabrini (Eds.), Campesinato e territórios em disputa (1ª ed., pp. 273-301). São Paulo, Brasil: Expressão Popular.

Ferreira, S. B. (2012). A Expansão dos Assentamentos Residenciais na Ilha de Mosqueiro: uma oportunidade de dispersão urbana no espaço metropolitano de Belém (PA) (tese de mestrado). Belém, Brasil: Universidade Federal do Pará.

Fouilleux, È. (2003). La politique agricole commune et ses réformes: une politique à l’épreuve de la globalisation. Paris, França: L’Harmattan.

Fouilleux, È. (2011). Analisar a mudança: políticas públicas e debates num sistema em diferentes níveis de governança. Estudos sociedade e agricultura, 19(1), pp. 88-125.

Geipel, F., & Neuburger, M. (2004). As relações campo – cidade na periferia Amazônica: exemplos de Mato Grosso e Tocantins. II Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional (Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 28/09 a 01/10 de 2004). https://www.unisc.br/site/sidr/2004/conferencias/01.pdf

Grisa, C., & Scheneider, S. (2014). Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e estado no Brasil. Revista de economia e sociologia rural, (52), pp. 125-146. https://doi.org/10.1590/S0103-20032014000600007

Governo do Brasil (2018, junho 8). Agricultura familiar do Brasil é a 8ª maior produtora de alimentos no mundo. http://www.brasil.gov.br/editoria/economia-e-financas/2018/06/agricultura-familiar-brasileira-e-a-8a-maior-produtora-de-alimentos-do-mundo

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (2017). Projetos de Reforma Agrária Conforme Fases de Implementação. Brasília, Brasil: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Lakatos, E. V., & Marconi, M. A. (2003). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. São Paulo, Brasil: Atlas.

Lefebvre, H. (1978). De lo rural a lo urbano. Barcelona, Espanha: Península.

Lei Nº 4.504, de 30 de Novembro de 1964 (1964, Novembro 30). Câmara Dos Deputados Centro de Documentação e Informação. http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4504-30-novembro-1964-377628-normaatualizada-pl.pdf.

Martello, A. (2017, novembro 2). Agricultura familiar encolhe; assistência social tem alta: saiba quais áreas ganham e perdem no Orçamento 2018. Portal G1. https://g1.globo.com/economia/noticia/agricultura-familiar-encolhe-assistencia-social-tem-alta-saiba-quais-areas-ganham-e-perdem-no-orcamento-2018.ghtml

Martin, J., & Fernandes, B. (2004). Movimento socioterritorial e “globalização”: algumas reflexões a partir do caso do MST. Lutas Sociais, (11/12), pp. 173-185. http://revistas.pucsp.br/ls/article/view/18710

Ministério do Desenvolvimento Agrário. (2013). Roteiro para criação de projeto de assentamento Casulo (PCA). Brasília, Brasil: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Muller, P. (2005). Esquisse d’une théorie du changement dans l’action publique: structures, acteurs e cadres cognitifs. Revue française de sciense politique, 55(1), pp. 155-187. https://doi.org/10.3917/rfsp.551.0155

Muller, P. (2008). Les politiques publiques. Paris, França: PUF.

Montagnini, F. (1992). Sistemas Agroforestales: principios y aplicaciones en los trópicos. San Jose, Costa Rica: Organización para Estudios Tropicales.

Oliveira, A. U. de. (2007, fevereiro 27). Os Números da Reforma Agrária do Governo Lula. Repórter Brasil. https://reporterbrasil.org.br/2007/02/os-numeros-da-reforma-agraria-do-governo-lula/.

PNOT (2006). Ministério da Integração Nacional. Documento base para a definição de uma Política Nacional de Ordenamento Territorial (versão preliminar). Brasília, Brasil: MI-SDR.

Peixoto, R. (2009). Caminhos e Descaminhos do Desenvolvimento Territorial no Pará. In G. de M. Rocha, S.B. Magalhães, & P. Teiseerenc (Eds.), Territórios de Desenvolvimento e Ações Públicas (pp. 65-93). Belém, Brasil: EDUFPA.

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder. São Paulo, Brasil: Ática.

Rocha, A. C. (2015). O MST e a luta pela terra no Pará. Marabá, Brasil: Iguana.

Rua, M. das G. (2014). Políticas públicas. Florianópolis, Brasil: Departamento de Ciências da Administração da UFSC.

Sabourin, E. (2017). Enfoque Sistêmico e análise das políticas públicas rurais. Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento, 11(2), pp. 29-48. https://doi.org/10.18542/raf.v11i2.5315

Silva, J. A. C. e. (2016). Juventude rural e trabalho: o caso do Assentamento Mártires de Abril, Distrito de Mosqueiro. 2016 (tese de mestrado). Belém, Brasil: Universidade Federal do Pará.

Shanin, T. (2005). A definição de camponês: conceituações e deconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. Revista NERA, 8(7), pp. 1-21.

Winnie, O. (2013). Dendê: o avanço do monocultivo ameaça a agricultura familiar na Amazônia paraense. http://www.br.boell.org/sites/default/files/monocultivododendeentrevistawinnie_overbeek.pdf

Woortmann, E. F. (2009). O saber camponês: práticas ecológicas tradicionais. In E. P. de Godoi, M. A. Menezes, & R. A. Marin (Eds.), Diversidade do campesinato: expressões e categorias. Estratégias de Reprodução Social (vol. 2, pp. 119-129). São Paulo, Brasília, Brasil: UNESP, NEAD.

Published
2020-06-30